HomeHomeMergulho Técnico

Son Doong: Mergulhadores entram pela primeira vez na maior caverna do mundo

Artigo publicado sobre os efeitos do impacto do uso de flash subaquático na vida marinha
BRBIO realiza seminário para compartilhar experiências de conservação marinha

Três mergulhadores entraram pela primeira vez nos rios subterrâneos da maior caverna do mundo e descobriram uma passagem subterrânea que a liga a uma outra caverna.

A caverna mais profunda do mundo é, afinal, ainda maior do que se julgava. Três mergulhadores britânicos entraram na Son Doong, no Vietnam e descobriram um novo conduto que a conecta a uma outra caverna chamada Hang Thung.

Jason Mallinson, Rick Stanton e Chris Jewell, 3 dos mergulhadores que participaram no resgate das crianças tailandesas que ficaram presas numa caverna em 2018, aventuraram-se no Parque Nacional Phong Nha-Ke Bang para explorar submundo da Son Doong. A equipe mergulhou a 78 metros mas não esperava encontrar essa profundidade.

Os mergulhadores britânicos foram os primeiros a entrar nas águas da caverna

“É como se alguém encontrasse um novo cume do Everest, que tornasse a montanha mil metros ainda mais alta”, disse Howard Limbert, um dos peritos que ajudou a organizar a expedição. A Son Doong, que fica na província de Quang Binh, tem atualmente uma capacidade de 38,5 milhões de metros cúbicos de água. Com a ligação à caverna Thung, terá mais 1,6 milhões. “Esta caverna tem um tamanho simplesmente ridículo”, continuou Limbert.

Com cerca de três milhões de anos, Son Doong foi declarada a maior caverna do mundo em 2010. É tão profunda que caberia no seu interior um bairro inteiro de Nova Iorque com arranha-céus de 40 andares, de acordo com a Oxalis, agência que organiza visitas e expedições ao local.

Mergulhar nas águas e rios subterrâneos da Son Doong é algo inédito. A ideia partiu da Oxalis e como forma de agradecer aos mergulhadores pelo resgate da equipe de futebol na caverna da Tailândia. “Os mergulhadores fizeram um trabalho fantástico no resgate das crianças na Tailândia, e os convidamos para uma viagem a Son Doong como forma de agradecimento pelo esforço”, disse Limbert, que é também conselheiro técnico da Oxalis.

A equipe espera regressar às águas da caverna em abril do próximo ano, com equipamento que permita mergulhos ainda mais profundos. Abril é a melhor época do ano para entrar nestes rios subterrâneos, uma vez que o nível das águas é baixo e há uma boa visibilidade.

Acho incrível que algo tão importante como a maior caverna do mundo ainda esteja sendo explorada e compreendida. Nunca ninguém tinha entrado na Son Doong até 2009. E esta última descoberta mostra que ainda há muitas coisas para descobrir neste planeta. É realmente muito entusiasmante”, disse Howard Limbert.

Seção da gruta conhecida por Jardim de Edam

No interior da gruta, existem ainda diferentes microclimas e duas florestas. A flora cresce e resiste no interior da Son Doong devido às falhas nas rochas, que permitem a entrada de luz natural.

Uma caverna que levou anos para ser descoberta

A gruta de Son Doong foi descoberta acidentalmente pelo vietnamita Ho Khanh em 1990. Khanh caçava na região quando descobriu uma abertura e sentiu uma brisa na face. Ouviu depois barulho de água corrente. Mais tarde, quando voltou ao local, não conseguiu nunca mais encontrar a gruta, que estava coberta e escondida por folhagem. “Khanh passou muitos e muitos anos tentando encontrar de novo a entrada da caverna. Até que, finalmente, em 2009 nos conduziu ao local. Percebemos logo a importância da descoberta”, contou Limbert.

O Parque Nacional onde fica localizada a caverna é um famoso destino turístico no Vietnam. “Há muitos rios, fantásticas florestas, montanhas, penhascos e muita vida selvagem”, explicou o conselheiro técnico. Contudo, até agora, apenas 30% do parque foi explorado. “Há muito mais para ver”, completou o perito.

O parque pode ser explorado em visitas guiadas que duram quatro dias e contam com percursos de 25 quilómetros. As visitas são limitadas a grupos de dez pessoas (máximo de mil visitantes por ano) e têm um custo de 2.990 dólares (cerca de 2.600 euros). para acompanhar os turistas existe um grupo de 27 guias.

Comentários

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0