Iniciadas as operações de mergulho no Arquipélago dos Alcatrazes, no litoral de SP

O arquipélago dos Alcatrazes localizado a 45 km do porto de São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, será aberto ao turismo náutico neste domingo (16).

Um dos maiores ninhais de aves marinhas do Sul e Sudeste brasileiro, o arquipélago foi desde a década de 1980 até 2013 local de exercício de tiros da Marinha e estava fechado para visitação.

É a primeira vez que o turismo na região será feito de forma organizada. A descida em terra continuará proibida. Os turistas poderão ver a ilha do barco ou fazer mergulho livre e autônomo em mais de dez pontos da região.

O passeio até o arquipélago poderá ser feito apenas por meio de empresas autorizadas pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), órgão que, junto com a Marinha, faz a gestão da área. Lanchas particulares continuam proibidas de parar no local.

Há 32 operadoras cadastradas pelo órgão, mas apenas duas vão começar a fazer o passeio neste domingo: Universo Marinho, com saídas de São Sebastião, e a Colonial Diver, de Ilhabela. Os valores cobrados pela saída de mergulho  giram em torno de R$ 700, com direito a dois cilindros.

Em janeiro, mais três devem iniciar as operações e, até março, mais cinco. Nessa etapa, haverá também barcos partindo de Bertioga e Santos —a lista de empresas autorizadas será disponibilizada no site icmbio.gov.br/refugiodealcatrazes.

Durante um ano e meio, pesquisadores vão analisar os impactos do turismo na preservação dos corais e no comportamento dos peixes. Depois disso, será avaliada a necessidade de fazer mudanças na visitação.

O refúgio abriga mais de 1.300 espécies, 100 delas estão ameaçadas de extinção. Lá encontra-se o maior ninhal de fragatas do Atlântico Sul e é área de alimentação, reprodução e descanso para mais de 10.000 aves marinhas.

Nas águas de Alcatrazes também há a maior quantidade de peixes do Sudeste do Brasil. Durante o ano inteiro, podem ser avistadas baleias-de-bryde e diversas espécies de golfinho. Já as baleias-jubarte aparecem por ali no outono e no inverno.

Em 2016, foi criado o Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, que transformou a área de 674 km² em unidade de conservação.

O nome Alcatrazes vem de como eram chamadas espécies de gaivotas marinhas. Uma das hipóteses é que o batismo veio do viajante alemão Hans Staden, que passou dez meses como prisioneiro dos índios Tubinambás, no século 16. Na ocasião, ele navegou por ilhas do litoral paulista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.