Game of Thrones inspira ação do Coral Vivo para conservar vida marinha

Alerta busca que as pessoas observem a composição dos protetores solares e evitem substância nociva aos corais

A consagrada série Game of Thrones, cuja oitava e última temporada estreia neste domingo, 14 de abril, inspirou a agência CL/AG a criar uma campanha on e off-line para o Instituto Coral Vivo, que trabalha para a conservação e a sustentabilidade socioambiental dos recifes de coral e ambientes coralíneos brasileiros. A ação tem como objetivo principal conscientizar as pessoas sobre os efeitos nocivos da oxibenzona, substância química presente na formulação da maioria dos protetores solares, nos corais. A campanha vai ao ar neste domingo, junto com o início da série.   

A primeira peça tem o slogan “O feriadão também está chegando”, como referência ao mote da série “O inverno está chegando”, e a imagem de um trono feito com esqueletos de corais da costa brasileira, em alusão direta ao cobiçado trono feito de espadas e armas de ferro na série medieval. Com o feriadão de Páscoa à vista, um volume alto de protetores solares com a oxibenzona estará chegando aos ambientes coralíneos. 

“Desejamos, com essa campanha, que as pessoas continuem usando protetor solar, mas que fiquem atentas à composição e prefiram consumir produtos livres de substâncias nocivas aos recifes de coral o quanto antes”, explica o oceanógrafo Miguel Mies, que é pesquisador da Rede de Pesquisas do Coral Vivo e do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP).“Lembramos que essas substâncias, mesmo em pequenas quantidades, causam doenças e mortalidade nos corais”, completa.

Essa substância estará proibida no Havaí a partir de 1º de janeiro de 2021, e a decisão foi tomada com base numa série de estudos que apontam alta toxidade para os recrutas de coral, especialmente, e outras espécies marinhas. O site do Serviço Nacional de Parques dos EUA recomenda protetores com ingredientes minerais como óxido de zinco e óxido de titânio. No México, já está proibido o uso em reservas marinhas.

O Brasil é um dos países com a maior faixa litorânea do mundo, sendo um dos maiores consumidores mundiais de filtro solar. O clima no Nordeste favorece que inúmeros turistas visitem as praias durante todo o ano, e o extremo sul da Bahia é a área de maior biodiversidade marinha do Atlântico Sul, onde ocorrem diversos recifes de coral. Esse frágil e importante ecossistema tem uma estrutura tridimensional que pode ser comparada às florestas tropicais, por abrigar uma expressiva quantidade de organismos.

Além dos protetores solares, essa substância nociva à saúde e ao meio ambiente é encontrada em outros produtos, como cosméticos, produtos de higiene e perfumes. Ela pode estar nas embalagens com as seguintes identificações: Oxybenzone, B3, Benzophenone-3, (2-Hydroxy-4-Methoxyphenyl) Phenyl- Methanone, (2-Hydroxy-4-Methoxyphenyl) Phenylmethanone; 2-Benzoyl-5-Methoxyphenol; 2-Hydroxy-4-Methoxybenzophenone; 4-Methoxy-2-Hydroxybenzophenone, Advastab 45; Ai3-23644; Anuvex; 2-Hydroxy-4-Methoxy.

Sobre o Instituto Coral Vivo 

O Coral Vivo trabalha com pesquisa, educação, políticas públicas, comunicação e sensibilização para a conservação e a sustentabilidade socioambiental dos ambientes coralíneos do Brasil. É realizado por 14 universidades e institutos de pesquisa, e é o coordenador executivo do PAN Corais, que engloba 18 áreas do MA a SC e 52 espécies ameaçadas de extinção: peixes e invertebrados. Tem base e centro de visitantes no Arraial d’Ajuda Eco Parque, em Porto Seguro (BA). www.coralvivo.org.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.