Expedição ao Great Blue Hole de Belize encontra corpos de dois mergulhadores desaparecidos

Uma recente expedição ao fundo do Great Blue Hole em Belize descobriu os restos mortais de dois mergulhadores, desaparecidos a muito tempo.

Mergulhadores técnicos durante Expedição da Divemag em 2015 onde alcançamos 100 metros de profundidade e outro time 65 metros

Great Blue Hole , um sumidouro gigante no meio do oceano ao largo da costa de Belize, é um lugar bonito e misterioso.

Pesquisadores que trabalharam em uma expedição ao local lançaram os primeiros mapas 3D de seu interior e um minidocumentário de sua viagem submarina, incluindo como encontraram marcas misteriosas e os corpos de dois mergulhadores há muito tempo perdidos no fundo do abismo.

O filme, que foi lançado recentemente pela Aquatica Submarines, apresenta Erika Bergman, piloto do submarino, e Mark Atherton, especialista em sonar da expedição, discutindo suas descobertas durante a missão.

Rumo ao azul

Abaixo da nuvem de sulfeto de hidrogênio (H2S) que cobre o fundo do Blue Hole, não há oxigênio e tudo o que cai lá tende a ser preservado”.

Bergman explicou como a vida marinha no Great Blue Hole não passa pela camada de H2S. Sob a camada de H2S, tudo é muito escuro e, devido à falta de oxigênio, torna difícil para as criaturas (e humanos) nadarem por lá.

Abaixo da camada de H2S, a equipe de Bergman descobriu centenas de conchas, equipamentos científicos antigos, uma câmera GoPro, trilhas bizarras no fundo do oceano e restos mortais de dois mergulhadores há muito perdidos.

“Havia… essas pegadas estranhas, círculos entre cruzados ao redor do centro do buraco sem nenhuma indicação do que os havia feito. A maior parte estava quieta e escura lá embaixo ”, acrescentou Bergman. “Também encontramos o local de descanso para dois mergulhadores que se perderam no buraco. Nós notificamos as autoridades locais, e todos concordaram em deixá-los sem serem incomodadas. Eles estão em paz.

Crédito da foto: Aquatica Submarines

Outras observações revelaram insights sobre como a caverna evoluiu ao longo dos anos. A equipe capturou imagens de grandes estalactites que mudaram de posição, indicando que as placas tectônicas poderiam ter mudado a área no passado.

Formações únicas

“As estalactites são enormes, algumas têm mais de 40 pés de comprimento e dois pés de diâmetro. Eles se formam devido ao lento gotejamento da água e à cristalização de minerais, já que a água cai seca na ponta da pedra mineral ”, disse Bergman à Newsweek. “A água não escorre submersa” – então essa era uma caverna seca quando o nível do mar estava muito mais baixo.

Bergman e a equipe estão agora estudando dados coletados de sua expedição ao Great Blue Hole e estão buscando outras comparações com outros sumidouros conhecidos pela ciência.

“Primeiramente, identificamos plataformas no Great Blue Hole que combinam com formações semelhantes em outros buracos azuis oceânicos. Essas plataformas são indicações do nível do mar em séculos passados ​​”, observou Bergman. “O que estamos descobrindo é que o nível do mar sobe em degraus, geralmente em grandes degraus. Então, olhando para frente, podemos esperar que os níveis do mar sigam padrões semelhantes ”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.