Espanha lidera um projeto pioneiro de conservação de tubarões e raias através da reprodução assistida

Um projeto europeu liderado pela Universidade Politécnica de Valência (UPV) visa contribuir para a conservação de tubarões e raias do Mar Mediterrâneo com a aplicação de técnicas de fertilização in vitro para a reprodução de dois dos vertebrados marinhos mais ameaçados do planeta.

Tubarões de Recife | Maldivas | foto: Kadu Pinheiro

O Grupo de Aquicultura e Biodiversidade (GAB) -ICTA da UPV está trabalhando no desenvolvimento de técnicas de reprodução assistida , como a criopreservação de gametas ou o controle de ciclos reprodutivos, que até hoje não foram alcançados em nenhum centro de pesquisa. a conservação de tubarões e raias do Mar Mediterrâneo.

Este projecto europeu conta com o apoio da Fundação da Biodiversidade do Ministério da Transição Ecológica.

Segundo Juan Francisco Asturiano, líder do projeto e pesquisador do GAB-ICTA da UPV, o programa surge da necessidade de “saber mais” sobre essas espécies marinhas e seu ciclo reprodutivo, mesmo sendo animais que os pescadores capturam “centenas todos os dias nos portos espanhóis de forma acidental , mas que apenas jogando fora como descarte”.

O pesquisador explicou que “a sobrepesca e a destruição de seu habitat são as principais causas do declínio” de algumas populações de tubarões e arraias, atualmente em “limites críticos”. Asturiano sublinhou que, no caso do Mar Mediterrâneo, a situação para eles é “especialmente grave”.

O projeto começou em janeiro e terá a duração de quinze meses, com o objetivo, disse Asturiano, de “coletar informações , analisá-las e, com sorte, poder aplicar a fertilização in vitro” nessas espécies.

Para conseguir isso, os pesquisadores da UPV usarão animais obtidos de descartes de pesca , depois de estabelecer parcerias com várias associações da Comunidade Valenciana.

Além disso, após um acordo com a Cidade das Artes e Ciências e a Fundação Oceanográfica, os animais mantidos em suas instalações podem ser usados ​​para coletar informações e obter amostras .

«Com os espécimes que os pescadores nos trazem todos os meses, começaremos a estudar a sua dinâmica de reprodução e aplicaremos a experiência anterior com técnicas de reprodução assistida em outros peixes, como a enguia e robalo , de interesse na aquicultura , e aplique-os a estes tubarões “, acrescentou.

O asturiano também detalhou que procuram extrair o esperma dos machos mortos que os alcançam e ver se são “capazes de ativar” considerar fazer “fertilização e congelamento in vitro e preservá-lo para fazer uma reserva “.

A pesquisa utiliza quatro espécies modelo para desenvolver o projeto: o cação ( Scyliorhinus canicula ), a pata-roxa ( Scyliorhinus stellaris ) e Bocanegra ( Galeus melastomus família) de tubarões, e faixa pintada ( Raja montagui ).

Existem quatro espécies que podem ser relativamente comum para permitir, no futuro, trabalhar com outras pessoas que têm a sua sobrevivência mais comprometido, elogiou a pesquisa.

Além disso, Asturian explicou que uma segunda etapa deste projeto seria avançar em outros tipos de estudo para “começar a trabalhar na reprodução de espécies que interessam aquários ” para reduzir seus custos.

Das 160 candidaturas que participaram da chamada para a Fundaçãoda Biodiversidade , apenas treze foram concedidas ao campo da biodiversidade marinha , o que coloca o projeto da UPV à frente da conservação da fauna marinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.