Como é a vida em um recife de coral?

Sim, eles estão ameaçados no mundo todo

Rica como a vida em uma floresta tropical. E, assim como a selva, o recife decoral é quente: suas águas variam de 20 a 30 ºC. A temperatura é ideal para que se formem santuários ecológicos nos oceanos: eles servem de ponto dealimentação, reprodução e refúgio a um terço de todas as espécies de peixes marinhos do mundo.

Bodião, Bali | Indonésia

Entre os típicos habitantes estão o sedentário peixe-papagaio e a jamanta (uma arraia dócil), além de polvos, estrelas-do-mar e medusas muitas vezes letais para humanos.

Arraias Manta | Bali | Indonésia

O homem, aliás, é a única ameaça a essa diversidade. Devido à poluição e à pesca predatória, 10% dos recifes do planeta já morreram. Se seguir assim, em menos de um século nós teremos que sair à procura de Dory e Nemo, literalmente.

recife-de-coral-2
Ilustração: Rainer Petter

UMA GRANDE FAMÍLIA
Os recifes são imensas estruturas de cálcio onde se agrupam os corais. Cada coral, por sua vez, é uma colônia formada por criaturinhas de 0,5 cm de diâmetro chamadas pólipos, que se alimentam de plâncton

recife-de-coral-5
Ilustração: Rainer Petter
recife-de-coral-6
Ilustração: Rainer Petter

RESORT ORNAMENTAL
Os animais se organizam em rotinas. Até meio-dia, o clima do recife é de paz. Peixes coloridos, como baiacu, peixe-palhaço (Nemo) e cirurgião-patela (Dory), perambulam à procura de algas e de plâncton para comer.

Peixe-palhaço (Nemo)

Já as anêmonas-do-mar pegam carona na correnteza para traçar camarões. Enquanto isso, os corais estão dormindo, com os pólipos encolhidos

recife-de-coral-7
Ilustração: Rainer Petter

PATRULHA SUBMARINA
O peixe-borboleta, o budião-azul e o ouriço-do-mar são conhecidos como “limpadores” do recife, pois mordiscam e arrancam pedaços de coral cobertos por algas e parasitas, como vermes e lesmas, que proliferam e podem asfixiar a colônia inteira. A acidificação dos oceanos ameaça esses limpadores. Sem eles, os recifes podem virar desertos marinhos

recife-de-coral-8
Ilustração: Rainer Petter

HORA DA FARRA
O pôr do sol é a “troca de turno”. Tudo muda. Os cardumes entram em estado de inquietação. O motivo? Ictiófagos, os devoradores de peixes. Moreias, barracudas, garoupas e outros predadores saem de seu esconderijo à procura de vítimas vulneráveis.

recife-de-coral-9
Ilustração: Rainer Petter

HIENAS MARINHAS
Das cerca de 5 mil espécies de peixes de recife, mais de dois terços são carnívoras. Por isso, a comilança é concorrida. De olho nela, estão os invertebrados, que acompanham o frenesi dos peixes ao anoitecer. Crustáceos, moluscos e vermes marinhos aproveitam as sobras deixadas pelos carnívoros e enriquecem sua dieta

VISITANTES DE PASSAGEM
Tubarões, cações e atuns não habitam os recifes, mas transitam por ali. A presença desses peixes de passagem equilibra do recife.

Tubarão galha-branca abrigado em um recife de corais em Manado | Indonésia

Mas nem tudo são flores, é que eles são alvo comuns de pescadores, que podem fisgar ou até envenenar os moradores locais. Isso acaba afetando a dieta de tartarugas e golfinhos migratórios, que se alimentam dos peixes de recife

UMA ÚLTIMA CURIOSIDADE A popularidade de Nemo e Dory fez disparar a procura por essas espécies em lojas, aumentando seu risco de extinção na natureza

recife-de-coral-3
Ilustração: Rainer Petter
recife-de-coral-4
Ilustração: Rainer Petter
Nemo

CONSULTORIA Milena Testoni, bióloga de vida marinha do Aquário de São Paulo, e Fábio Lang da Silveira, do Instituto de Biociências da USP

FONTES: Super Interessante, Nasa Ocean Color e Smithsonian Ocean Portal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.