Cação é TUBARÃO

Texto e fotos: Erika Beux

A maioria das pessoas ainda não sabe que cação é tubarão porque o cação já é vendido cortado em postas (fatias) nas peixarias e ninguém vê o animal inteiro.

Cação é o nome genérico que se dá para qualquer espécie de tubarão, geralmente filhotes ou juvenis, que são pescados para alimentação humana. Ou seja, são animais que não atingiram a maturidade sexual para se reproduzir e já foram parar no nosso prato antes de deixar seus descendentes.

Os tubarões são predadores topo de cadeia e todo animal nessa condição, inclusive o homem, acumula toda a energia e altos níveis de toxinas do restante da pirâmide alimentar como o mercúrio, zinco, chumbo e cádmio, por exemplo.

Esses metais são altamente cancerígenos, não são eliminados no nosso corpo e acumulam-se nos nossos tecidos para sempre! 

Se não tiver tubarão no mar, teremos o efeito cascata, que resulta no aumento da população descontrolada de animais que serviriam de alimento para os tubarões, que por sua vez irão devastar os recifes de corais e algas, os quais são responsáveis por mais de 80% do oxigênio disponível na atmosfera. Você sabia disso???

Pois é, sempre aprendemos na escola que o ar que respiramos vem das plantas, mas alga também faz fotossíntese e se o planeta é composto por mais de 70% de água, quem produz a maior parte do oxigênio que respiramos são as “plantas do mar”!

Em outras palavras, SEM TUBARÃO nos oceanos nós NÃO RESPIRAMOS! É simples assim! Tudo é uma questão de equilíbrio!

Tubarões não são monstros! Nós precisamos mais deles vivos do que no nosso prato! 

A grande maioria das mais de 400 espécies de tubarões não se reproduzem em cativeiro, o que talvez “justificasse” a nossa alimentação com a carne deles. Além disso, a maioria das espécies encontra-se ameaçada de extinção!

Pode-se substituir a carne de cação por outro peixe que seja criado em cativeiro (tilápia, corvina, robalo), o que seria “menos pior” que pesca de arrasto.

Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura), em torno de 90% dos estoques pesqueiros do PLANETA encontram-se sobrepescados ou plenamente explorados. Isso quer dizer que, devido o alto consumo de pescado no mundo, a atividade pesqueira é insustentável, está acima do limite do que a natureza consegue repor. 

Não compre cação, opte por peixes e crustáceos de criadouros, pratique o consumo consciente!

Referências

BIELLO, D., 2009. Scientific American – The Origin of Oxygen in Earth’s Atmosphere. [Online]
Available at: https://www.scientificamerican.com/article/origin-of-oxygen-in-atmosphere/
[Acesso em 13 04 2019].

Center for Educational Technologies, 2004. Exploring the environment Coral Reefs. [Online]
Available at: http://www.cotf.edu/ete/modules/coralreef/CRatmo.html
[Acesso em 13 04 2019].

LESSER, M. P., STOCHAJ, W. R., TAPLEY, D. W. & SHICK, J. M., 1990. Bleaching in coral reef anthozoans: effects of irradiance, ultraviolet radiation, and temperature on the activities of protective enzymes against active oxygen. Coral Reefs, 8(4), pp. 225-232.

MORALES-AIZPURUA, I. C., TENUTA-FILHO, A., SAKUMA, A. M. & ZENEBON, O., 1999. Mercúrio total em cação comercializado em São Paulo – SP, Brasil. Ciênc. Tecnol. Aliment., 19(3), pp. 429-432.

Erika Beux

Criada desde pequena cercada por fotógrafos na família, a paixão pela arte de registrar a luz não poderia ser diferente.
Hoje, já como fotógrafa profissional tem trabalhos publicados na National Geographic.
Natural de Caxias do Sul-RS, atualmente reside em São Paulo quando não está na água.
Mergulha desde 2011 e é Dive Master.
Bancária de profissão, graduada em Processos Gerenciais, atualmente estuda Ciências Biológicas e mergulhou em diversos lugares do Brasil e no exterior como Belize, Bonaire, Bahamas, Costa Rica, México e Flórida.
Ama natureza e cuida também. Atua como pesquisadora no Projeto Mantas do Brasil.
Site: www.erikabeux.com
Instagram: @erikabeux
Facebook: https://www.facebook.com/erika.beux
Email: info@erikabeux.com
Fiquem ligados! Erika tem muito a falar com vocês!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.