Brasileira é mordida por tubarão no Hawaii

Brasileira é mordida por tubarão no Hawaii

No último domingo (31), a brasileira Marjorie Mariano, surfista e residente do North Shore de Oahu, Havaí, sofreu um ataque de tubarão por volta das 18 horas (horário local) enquanto surfava em Hultin’s, pico ao lado de Laniakea.

Laniakea. Foto: Brian Bielmann.

Ainda não se sabe exatamente qual o tipo de tubarão, mas pela descrição do animal e pela foto da mordida, estima-se que seja um tubarão tigre de 3 a 4 metros. Marjorie foi socorrida por dois surfistas que estavam perto do local, ainda na água. Ela estava em choque no momento do resgate e fazia de tudo para sair da água o mais rápido possível, pois sangrava muito e temia outro ataque.

Um surfista e amigo de Marjorie viu a gravidade da lesão e aplicou um torniquete com o leash de um outro surfista que o acompanhava ainda na água. Marjorie foi levada ao hospital Queens, em Honolulu, onde passou por cirurgia.

Segundo relato pessoal de Marjorie, ela esperava uma onda para sair do mar. Quando olhou para trás, viu a lua cheia raiar e iluminar todo o cenário místico do lugar. Ela começou a refletir e pensar na melhor amiga, Telma Boinville, que faleceu no início de dezembro de maneira brutal, vítima de um assalto também no North Shore. Marjorie chegou a comentar que chorava na água sentindo muito a falta da amiga.

Como já escurecia e quase sem ondas, ela resolveu remar pelo canal para sair do mar. Quando chegou ao inside, sentiu uma mordida forte na altura da coxa e do joelho. Desesperada, Marjorie começou a gritar e puxar a perna da boca do tubarão, que acabou soltando. Enquanto ela lutava contra o animal, pôde observar a cabeça e metade do corpo do bicho para fora da água sendo iluminado pelo reflexo da lua. Assim que foi solta, seu instinto foi de encarar o animal para proteger as pernas. Foi ali que ela viu o tubarão de frente e pôde observar bem o tamanho dele.

Enquanto ela encarava o tubarão, viu ele virar e desaparecer em sentido ao fundo do mar, então resolveu remar para o canal o mais rápido possível gritando por ajuda. Por sorte, foi avistada pelos surfistas que a socorreram e conseguiram levá-la até à praia e aplicaram pressão direta na lesão para estancar o sangramento, esperando pela ambulância.

Marjorie levou mais de 100 pontos na coxa e atrás do joelho. Um outro relato muito triste da própria Marjorie foi quando os médicos perguntaram a ela por alguma pessoa para contactar nesse caso de emergência. A primeira pessoa que veio na mente foi a melhor amiga Telma. Por mais de 20 anos, Marjorie sempre indicava a melhor amiga como a pessoa de contato em caso de emergência no Havaí.

Pela gravidade do acidente, Marjorie vai ficar um bom tempo sem trabalhar. Todos sabemos que as contas de hospitais são altíssimas nos Estados Unidos, mesmo possuindo seguro médico.

Assim, nós criamos uma conta para doações através da GoFund.com para tentar arrecadar o máximo para ajudar a cobrir suas despesas de hospital e certamente das contas que acumularão pelo tempo que Marjorie estiver internada e sem trabalhar. Quem puder doar pode entrar no link Help Marjorie Shark Attack e fazer a sua doação qualquer quantia ajuda.

Marjorie foi uma das primeiras pessoas que conheci quando cheguei ao Havaí, há 12 anos. É uma pessoa extremamente amiga e de alto astral. Sempre que as ondas estão boas ela está na água surfando em Laniakea, Hultin’s, Jockos e Chuns, seus picos favoritos. E ela já declarou que não vai parar de surfar.

Por: Ricardo Taveira é surfista, mergulhador profissional, instrutor de apneia e proprietário da Hawaii Eco Divers & Surf Adventures, empresa de mergulho, surfe e ecoturismo no North Shore de Oahu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.